sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Uma poesia carregada de sentido e sentimento

(Por Pedro Camilo)


Alfred de Musset (1810-1857) foi considerado o "maior poeta da França" do seu tempo. Denso, romântico, boêmio e amante inveterado, seus versos são grandemente marcados pelas desilusões sofridas, sobretudo pela frustração do romance vivido com George Sand, com quem viveu um romance apaixonado e cheio de decepções.
Foi poeta festejado em seu tempo, mesmo em terras brasileiras. Castro Alves chegou a traduzi-lo e, por certo, nele se inspirou para suas aventuras poéticas.
Abaixo, apresento um dos últimos escritos dele, já no ano de seu decesso, 1857, em tradução minha, livre.


ÚLTIMOS VERSOS

A hora de morrer, depois de tantos meses
Por todos os lados soa em meus ouvidos
Depois de tantos meses pelo tempo combalido
É tudo o que sinto, é tudo o que vejo

Quanto mais luto contra minha desdita
Mais se aviva em mim o instinto do sofrer
E quando desejo pisar o chão, correr
Sinto parar no peito um coração que se agita

A coragem de lutar já se desgasta, se esvai
Então, tudo em meu descanso é combate
E como um corcel quebrado, meu corpo se debate,
Minha coragem cambaleia e cai.

(1857)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Abra sua alma!