quarta-feira, 13 de março de 2013

Música e mensagem

Francisco Muniz 

Coração tranquilo 
(Walter Franco) 

“Tudo é uma questão de manter 
A mente quieta 
A espinha ereta 
E o coração tranquilo” 

Esse mantra do compositor Walter Franco exprime com exatidão o modo como o espírito encarnado terá sucesso em sua tarefa de reeducação, de acordo com sua programação reencarnatória. Primeiramente, devemos dizer que não há receitas prontas e que cada um logrará êxito próprio de acordo com a forma de comportamento que julgar mais conveniente. Ademais, se há fórmulas preconcebidas elas estão em cada lição que Jesus nos legou, através das páginas do Evangelho. Ainda assim, sempre vale a pena lançarmos mão do que esteja ao alcance para facilitar ainda mais nossa jornada pela estrada do auto aperfeiçoamento, por entendermos que o Universo colabora, sim, para nosso engrandecimento nos mais imperceptíveis detalhes.
Voltemos, pois, ao mantra e ao modo como ele pode colaborar nesse processo. Tenhamos em conta, sobretudo, que esse é um trabalho que precisa ser realizado com disciplina, empenho e muita abnegação, para que seja bem sucedido. Se “tudo é uma questão de manter a mente quieta”, imperioso se faz entender que, sendo a mente a expressão do espírito encarnado em sua manifestação na matéria, é por ela que começa a tarefa do autoconhecimento e, consequentemente, de auto aperfeiçoamento.
Uma mente equilibrada é aquela que seleciona o pensamento e sintoniza com as frequências superiores da Espiritualidade. Em decorrência, o ser que assim se comporta aprende a melhor se conhecer e, principalmente, a se cuidar, tratando o corpo físico com a importância que ele merece, por ser o instrumento de manifestação do espírito. Assim, “manter a espinha ereta” é não atrair para si processos doentios decorrentes da invigilância, das paixões e dos vícios, numa palavra, das mais tendências que nos inferiorizam. Esse cuidado se dá através da alimentação equilibrada, sem excessos, dos exercícios físicos e da necessária higiene corporal.
Por fim, o “coração tranquilo” leva-nos à questão do equilíbrio das emoções, compreendendo que são os sentimentos mais nobres que devem prevalecer sobre aqueles de natureza inferior, ainda identificados com o instinto, ou seja, o domínio da matéria sobre a natureza espiritual. Um coração tranquilo, pacificado, é próprio daqueles que entendem seu papel na vida, tanto a presente quanto a futura, que constrói a cada instante, em conformidade com as palavras de Jesus: “Não se turbe vosso coração”, porque “a cada dia basta seu cuidado”. O aviso do Mestre, repetido em tantas outras diferentes culturas, diz-nos apenas da inutilidade de desesperarmos ante as conquistas que queremos fazer no mundo, posto que a conquista mais importante é a de nós próprios.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Abra sua alma!