quarta-feira, 13 de março de 2013

A ciência pesquisa a fé... e o espírito

Francisco Muniz
(Matéria extraída da revista Visão Espírita n. 26, de 2001.)


No mês de outubro do ano 2000 cientistas de várias partes do mundo desembarcaram em Brasília para participarem do I Fórum Mundial de Transcomunicação, trazendo os mais sofisticados equipamentos para comunicação com os Espíritos. Entre eles estava o pesquisador Roberto Andersen (foto), que esteve em junho daquele ano em Salvador, proferindo conferência sobre o tema “A ciência na trilogia do ser (corpo, mente e espírito)”, antecipando alguns dos estudos que aproximam a ciência da espiritualidade. Andersen, bacharel em ciência e doutor em educação, é um apaixonado estudioso da transcomunicação e outros temas que discutem a interação dessas duas áreas do conhecimento. Ele acredita que a união entre a ciência e a espiritualidade vai tornar mais rápido o desenvolvimento da raça humana.
“O grande problema da ciência está em ignorar as verdades espirituais”, diz o pesquisador. “Quando essas verdades forem vistas pelos cientistas através de um outro prisma, um grande passo será dado em relação a nossa evolução, permitindo a revelação dos grandes enigmas", completa. Isso já vem sendo feito, embora aos poucos. Nos Estados Unidos, por exemplo, algumas empresas já estão apostando nas aparentemente ilimitadas capacidades do lado espiritual do ser humano. Lá, a Psytech – uma dessas empresas – tem mesmo bancado o treinamento de egressos do exército americano para missões as mais fantásticas, sob a condução de Ingo Swann. Na condição de remote viwer mais conhecido do mundo, Swann é capaz de projetar sua consciência para qualquer parte do planeta e também no tempo – passado ou futuro.
Essa informação vem do escritor e pesquisador francês Patrick Drouot, em seu livro “O físico, o xamã e o místico”, no qual relata ter conhecido um dos membros das equipes treinadas por Swann. O informante de Drouot contou-lhe que, por ocasião da Guerra do Golfo, entre os EUA e o Iraque, ele e outros se projetaram até a sala de mapas de Saddam Hussein, a fim de antecipar suas estratégias. Segundo Drouot, jornais americanos teriam relatado o fato de modo irônico, zombando da Organização das Nações Unidas (ONU) por recorrer a médiuns para vencer o Iraque.
Voltando a Roberto Andersen, ele diz que, sob esse ponto de vista, todas as teorias, mesmo as mais firmes, estão ameaçadas, posto que passíveis de revisão. Os mais recentes (em 2001) avanços da ciência genética, a título de ilustração, põem em xeque a teoria evolucionista de Charles Darwin. Os cientistas que pesquisam a origem do homem no planeta se inclinam para a defesa da “Eva mitocondrial”, diz o especialista. Essa vertente científica considera a evolução a partir de uma única mulher e um único homem, que teriam se originado, por sua vez, na África.
“As pesquisas cromossômicas que pretendem chegar ao elo perdido (o ponto exato, a partir da divisão de cromossomos, onde se iniciaram as primeiras divisões celulares) apontam para o continente africano”, ressalta Andersen. De lá, assegura, uma “Eva” e um “Adão” – e não macacos – teriam iniciado a geração primordial que originou os atuais (à época) seis bilhões de habitantes da Terra. E isso há muito menos tempo do que se considerava como início do surgimento dos seres humanos, de acordo com Roberto Andersen.
O pesquisador acredita que à ciência não resta outra alternativa senão abordar as manifestações místicas. Assim sendo, celebridades do panorama científico mundial, como o físico Stephen Hawking,a teu confesso e cético dos mais assumidos, terão que se basear no misticismo para elaborar sua contraposição, considera Andersen.

2 comentários:

  1. Diz que Adão quem deu nomes a todas as coisas, mas quando Deus nem tinha feito Adão, disse que faria o Édem entre o Rio Tigre e o Rio Eufrates, aqui bem próximo né? Quando Caim foi expulso do "paraiso" foi para a cidade, onde já existia muitas coisas, que no édem não tinha; o Édem estava atrasado anos luz das outras pessoas, tanto é que na bíblia está escrito que Caim ficou com medo das pessoas matarem ele. Porque Deus fez Adão se já tinha pessoas na terra? Essa história do barro não encaixa em nada que penso, gostaria de saber o final dessa história. A melhor história que vi é de Darwin, mas nem tudo é aceitável. Aqui em Rondônia aconteceu uma coisa incrível, num lodo que tinha num banheiro de tábuas velhas,em meu sítio, nasceu várias plantas e entre elas um pé de castanha, como explicar um pé de castanha-do- pará num lodo? De onde ela veio sendo que é maior que uma castanha de caju? Ninguém a colocou ali, ela simplismente gerou do lodo. Esse assunto é tão difícil que não tem comentários. Eu Izabel, não estudo essa área do conhecimento, sou apenas uma curiosa.

    ResponderExcluir
  2. Olá, Izabel, muita paz. A história de Adão e Eva deve ser entendida como uma lenda da cultura judaica, inicialmente. Em verdade, é uma alegoria para explicar poeticamente a Criação divina, que não se resume à Terra. Lendo os livros A Caminho da Luz, de Emmanuel (Chico Xavier), e Os Exilados de Capela, de Edgard Armond, podemos ter uma boa noção a respeito do que se pensa ser o Paraíso Perdido. Quanto à tese da geração espontânea que vc parece trazer à baila com o episódio sobre o lodo aí em Rondônia, haverá sempre uma explicação científica desfazendo antigos conceitos. Muito provavelmente a castanha estava ali havia alguns anos esperando condições satisfatórias para germinar, embora olhos humanos não percebessem isso e por tal razão as pessoas criassem hipóteses as mais diversas para a compreensão do fato. Do mesmo modo, a existência de milagres não é real, posto que pressuporiam a derrogação das leis de Deus, sempre perfeitas e, por isso mesmo, imutáveis.
    Grande abraço e apareça mais vezes para dialogarmos.
    Deus a abençoe.

    ResponderExcluir

Abra sua alma!